Tag: vereador

Um tucaninho me contou…

Espaco espaco expresso

…que uma reunião entre o vice e os vereadores da realeza resultou em quebra-pau. Segundo a avezinha fofoqueira, os vereadores querem aparecer mais do que o necessário e pedem o impossível para a realeza, que não está disposta a muito esforço para agradar o povo. O resultado foi troca de insultos. Que feio.

 

E o tucaninho me disse ainda…

…que a Tucana já agendou um “papo de bastidores” com o atual secretário de Obras, Jaquinho, logo no primeiro horário de segunda-feira, dia que ela retorna ao Palácio de Pedras. Segundo o tucaninho, se realmente se confirmar que a Tucana vai substituir o Secretário e devolvê-lo à Casa de Vidro, o papo deverá ficar tenso.

Isso sem falar no suplente que com o retorno do Jaquinho, volta a atender telefone na torre do Palácio. É, a Tucana já retorna prometendo revolucionar a administração.

 

Mato

E por falar em Tucana, ela postou em sua rede social, na manhã de ontem, sexta-feira, 31, uma foto da construção da nova creche do bairro Santa Regina, enaltecendo a obra e dizendo que a será a maior creche do município. Pode até ser, mas será que mesmo indo lá inspecionar a obra a Tucana não viu o matagal no terreno da frente à obra (foto da capa da edição)? A comunidade não agüenta mais ligar para a Prefeitura reclamando e ninguém faz nada.

 

Parque

Após postar no site diário do Expresso a matéria da retomada da obra, e já em estado adiantada, do Parque Linear, uma moradora ligou para a redação informando que ainda tem muita lama por lá, que eles estão trabalhando, fotografando e divulgando apenas uma pequena parte e o resto está um caos. Bom, vamos dar um crédito para que a Prefeitura acerte o passo e de seguimento à obra, esperando que tudo fique como o projetado. Vamos dar um crédito…

 

Enquanto “peixes grandes” sentam para acertar detalhes de candidaturas e traçar estratégias de campanhas e alianças, alguns “bagrinhos” sonham com promessas infundadas…

 

Água

Cada dia é uma desculpa diferente. Cada dia é uma fatia (ou várias) da população de Camboriú que fica com as torneiras secas. Recebemos ontem, sexta-feira (31) a justificativa por mais um dia sem água aqui na terrinha. Desta vez teria sido, segundo a Prefeitura de Camboriú, uma queda de energia na Estação de Tratamento da Emasa, em Balneário Camboriú, e que danificou as placas de acionamento dos motores que fazem o bombeamento de água para Camboriú e Balneário Camboriú.  Mais uma desculpa; só mais uma desculpa!

A verdade é que só há arrecadação; sem investimento algum. Há quase 10 anos a água foi municipalizada em Camboriú. E foi municipalizada pela falta de investimento e comprometimento da Casan. E ai, o que foi feito de lá para cá? Talvez fosse mais interessante ter deixado nas mãos do Estado, pelo menos teríamos em quem colocar a culpa. Eu que acompanhei, através do Jornal Expresso, todo o processo de municipalização, acredito que houve um interesse grande em deter o faturamento da água em nosso município. E deu no que deu.

 

 

 

Remédios (?)

Espaco espaco expresso

Há semanas critiquei o projeto do vereador Zé Pedro Costa (PSDB) e o qualifiquei (o Projeto) de alienado e demagogo; pois criava a entrega de remédios nas residências de muitos pacientes mais necessitados e com dificuldade de locomoção, em Camboriú. Minha crítica foi não ao projeto em sim, mas baseada no fato de Camboriú estar sem medicamentos na rede pública. Pois bem, o Vereador apelou, na época, para as redes sociais e ameaçou me processar. Semana depois uma entrevista com a secretária da Saúde, Márcia Freitag, ratificou o que eu havia escrito neste mesmo espaço, quando a Secretária qualificou o projeto de “utópico”.

Pois pasmem, meus pouquíssimos leitores, esta semana o mesmo vereador, Zé Pedro, criticou a secretaria de Saúde no plenário da Câmara, durante a sessão de terça-feira, 12, dizendo que faltam remédios nos postos de saúde da cidade.

BINGO! Se não há medicamentos, “nobre” Vereador, por que perder tempo e discursos demagogos num projeto que não tem como ser cumprido?  É bom salientar que na época o projeto do “ilustre edil” foi aprovado por unanimidade e bastante elogiados pelos colegas.

 

Um tucaninho me contou…

…que após a entrevista da Secretária o vereador tucano declarou “guerra” à colega tucana pelas declarações dada ao Expresso sobre o seu projeto dos remédios em casa. E, ainda segundo o tucaninho que vive circulando pelos frios corredores do Palácio de Vidro, foi devido as declarações da Secretária que o Vereador aprovou o requerimento da vereadora, também tucana, Jane, referente à saúde.

Eita tucaninho, que esse ninho dos tucanos de Camboriú está mais parecendo um ninho de cobras.

 

Feriado

Não acreditei quando soube que um grupo de comerciantes local foi à Câmara de Vereadores e iniciou uma campanha para tornar o feriado da Festa do Divino como ponto facultativo em Camboriú, alegando que o feriado prejudica as vendas. Ora, vamos ser sensatos, quase na mesma época da Festa do Divino acontece a festa, também religiosa, dos Gideões. O encontro, que tem a duração de 10 dias, tranca todo o trânsito da cidade; barracas são armadas nas praças centrais, muitas delas ocupando frentes das lojas; muitos comerciantes para fugir do prejuízo locam suas lojas e, os que não o fazem, reclamam que passam os 10 dias da festa sem movimento, até porque com a interrupção do trânsito fica muito difícil o acesso de carro ao comércio do centro da cidade.

Na minha opinião, muito antes de reclamar e tentar modificar um dos únicos feriados católicos, e que acontece num único dia, seria de bom tom mudarem os 10 longos dias em que a cidade de Camboriú se mobiliza  para a Festa dos Gideões. Vale lembrar que nesse período do Encontro dos Gideões, a Prefeitura também fica à mercê dos evangélicos, já que a Tucana entrega a chave do seu gabinete para o pastor Cesino Bernardino, presidente dos Gideões Missionários e lá ele se instala recebendo seus fieis.

 

Feriado II

Nada contra os Gideões, de maneira alguma. Respeito toda e qualquer crença. Mas não posso aceitar que tentem brecar um único dia dedicado à Festa do Divino Espírito Santo e não se incomodem com 10 dias com o comércio estagnado, em função de inúmeras barracas vindas de fora. E esse papo de que a Festa dos Gideões movimenta o comércio local já sabe-se que é bobagem. Há hoje em Camboriú um movimento dos lojistas e da CDL para mudar esse comercio externo que se instala na cidade durante essa festa prejudicando os comerciantes que arcam com altos alvarás o ano intero.

 

Um tucaninho me disse ainda…

…que se somarmos a verba que sai, anualmente dos cofres da Prefeitura de Camboriú, com a autorização da Câmara de Vereadores, destinada ao Encontro dos Gideões, que é em média R$ 280 mil, mais o que se gasta de combustível, hora extra para os funcionários que trabalham no evento, alimentação para esses mesmos funcionários e outras despesas que não estão computadas diretamente ao Encontro, a despesa ultrapassa à receita, a arrecadação por alvarás. Com isso o tucaninho quis dizer que a Festa dos Gideões traz prejuízo para Camboriú.

Sabe tucaninho, eu todo ano bato nessa mesma tecla, que a festa traz prejuízo aos cofres públicos e, consequentemente para a cidade. Mas esse prejuízo econômico para a cidade e seu povo, aos olhos dos nossos governantes é nada perto do enorme palanque político que se transforma o evento. Imagina o encontro do no ano que vem, ano político….

 

Maternidade

Diante das declarações dadas no tópico anterior pelo tucaninho e das declarações da diretora do Hospital de Camboriú, a enfermeira Margarete Cadore, dadas ao Expresso, na edição anterior, sobre a reabertura da maternidade, peguei papel e caneta e fui às contas. Margarete declarou que se a Prefeitura de Camboriú repassasse R$ 40 mil/mês ao Hospital, a maternidade reabriria seu atendimento ao SUS. Segundo a enfermeira, a Tucana descartou essa possibilidade porque não há verba.

Pois bem, meus pouquíssimos leitores, vamos aos cálculos: Se a Prefeitura repassasse os R$ 40 mil necessários para disponibilizar o serviço de maternidade, serviço esse indispensável à população, gastaria anualmente R$ 480 mil. Se colocarmos na pauta que cerca de R$ 300 mil é dado anualmente aos Gideões para uma festa, isso fora  os outros gastos da municipalidade, já mencionados anteriormente, com o evento, vimos que o valor é irrisório para a Prefeitura.

 

E um quase tucaninho me disse…

…que a prefeita Luzia, questionadas várias vezes sobre o repasse à maternidade, disse que é impossível repassar esse valor este ano, mas garantiu: “ano que vem faremos o repasse”. Opa, ano que vem? 2014? Ano político??? Não sei porque mas tudo isso já não me espanta mais…vamos esperar então, e os futuros camboriuenses, que esperarem para nascer no ano político, agradecem à Prefeita.

 

Pré-campanha

Há mais de 30 dias o ex-governador, Leonel Pavan (PSDB) está percorrendo todo o estado, ouvindo as bases eleitorais de cada município para decidir o rumo do partido nas eleições de 2014.

Ainda sobre as eleições de 2014, Pavan afirmou que o PSDB terá um grande projeto para o estado e que deixa seu nome à disposição como pré-candidato à deputado federal, praticamente descartando disputar o cargo de senador ou governador.

Sobre as coligações, Leonel Pavan afirmou ainda que Paulo Bauer é o nome forte do partido mas não necessariamente será candidato ao governo do Estado, pois tem o cargo de Senador e apoiará a decisão do partido.

“Eu acredito muito que o Partido Progressista do Esperidião Amin deva caminhar junto conosco na próxima eleição” afirmou Pavan, descartando uma aliança com o PMDB que apoiará o PT a nível nacional, inviabilizando a reedição da tríplice aliança. “O PPS é outro partido que agrada”, acrescenta.

Outros partidos também serão convidados. “Se o Colombo não mudar de opinião em relação a tudo aquilo que defendeu, nós deveremos estar o apoiando. Se ele mudar, deveremos estar contra” finalizou  Pavan.

Empreendedorismo

Espaco espaco expresso

Mais uma sessão do Legislativo de Camboriú gasta com bajulações e paparicos que não levam  a lugar nenhum nem contribuem para a melhoria de vida da população da cidade. Se somarmos todas as sessões, papel, energia elétrica; gastos com funcionários, água, cafezinho, leite…em sessões festivas; entregas de moções e prêmios, acredito que garantiria um aumento (merecido) a muitos  servidores; ou ainda daria para garantir medicamentos (que não se acham nos postos) a muitos necessitados e carentes.

Mas digo isso porque na pauta desta semana do Legislativo dois assuntos que para os nossos “nobres” edis é de “suma” importância: discussão ao veto da prefeita Luzia ao projeto da vereadora Jane Stefenn que solicitava vacinação aos professores da rede municipal de ensino e a votação ao projeto  do vereador Ângelo Gervásio (PMDB), “PRÊMIO MÉRITO EMPREENDEDOR”, ao reconhecimento de pessoas físicas ou jurídicas que tenham se destacado em atividades empreendedoras em nosso município.

 

Empreendedorismo II

Nada contra a iniciativa do vereador peemedebista, mas muito antes a esse reconhecimento e, principalmente a rasgação de seda em tribuna, é necessário o reconhecimento e respeito no dia a dia por parte do Poder Público à população e à classe trabalhadora de Camboriú. E respeito é honrar os ricos salários pagos pela municipalidade à classe política; é honrar as promessas feitas em campanha; é honrar seu voto em plenário e não fazer barganhas. Esse é o reconhecimento. É somar esforços para melhorias na qualidade de vida; aumento da segurança pública… é denunciar atos ilícitos, independentemente de acertos políticos. Enquanto isso não acontecer, de nada adianta sessões solenes, discursos demagogos e entregas de placas comemorativas aos que verdadeiramente trabalham e fazem essa cidade crescer e se desenvolver.

Respeito, vereadores; é disso que a classe trabalhadora e empreendedora de Cambriú precisa.

 

Vacinação

Então a Tucana vetou o projeto que obrigava o município a vacinar os professores nas escolas e isso é pauta da sessão no Legislativo da Cidade? Ora, o que falar então sobre a grave denúncia de fraude nas vacinas infantis; a falta de medicamentos nos postos de Saúde da cidade; a falta de segurança em Camboriú, que tem assaltos diários em seu comércio, em plena luz do dia e bem no centro da cidade; a maternidade da cidade fechada por falta de recursos financeiros… e a preocupação dos vereadores é com a aprovação de mais um prêmio, mais um coquetel, mais placas e discursos demagogos; e a discussão sobre o veto às vacinas em professores…

Ora, porque não se mobilizam para melhorar a segurança em Camboriú. Mas mobilizar-se não significa fazer reuniões, chover no molhado e não resolver nada. É realmente correr atrás e cobrar das autoridades competentes solução, mesmo que para isso fira politicamente um ou outro. Mobilizar-se é cobrar a solução da suposta fraude na vacinação infantil; é cobrar do Executivo ações que de fato solucione problemas que causam desconforto e danos à população. É cobrar da Tucana o repasse para reabrir a maternidade ao público de Camboriú.

 

Um tucaninho me contou…

…que a denúncia da vereadora tucana Jane Stefenn ao Ministério da Saúde, sobre as irregularidades no Hospital de Camboriú pode ter sérias conseqüências para a cidade. Caso algo de errado for encontrado, o Hospital pode até ser descredenciado do SUS e ai não teremos mais nenhum tipo de atendimento. Será tucaninho?

 

IPTU

É muito difícil, mas de vez em quando surge algo de positivo lá pelos lados do Legislativo de Camboriú. Tenho que parabenizar o vereador Má (PV) pelo projeto de lei que obriga a Prefeitura disponibilizar ao contribuinte a consulta e a impressão do carnê do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) no site da Prefeitura Municipal de Camboriú, em qualquer tempo do exercício financeiro anual. Segundo o projeto, que tramita na Câmara, para ter acesso a consulta e a impressão do carnê, o contribuinte deverá informar o número de inscrição no CPF ou no CNPJ e digitar a senha de acesso disponibilizada.

A prática já acontece em quase todos os municípios do Estado. Espero que os vereadores aprovem a bela e eficiente iniciativa do vereador Má. Acredito que se a realeza estiver a favor, permitirá que seus vereadores aprovem. Tomara.

 

Abuso

Avança na cidade catarinense de Joinville o inquérito civil aberto pelo Ministério Público Federal contra a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais). Apura-se a suspeita de uso ilegal de um helicóptero da Polícia Rodoviária Federal equipado para operar como unidade móvel de saúde. Descobriu-se que, durante três dias em que o helicópero esteve a serviço de Ideli, registraram-se 52 acidentes nas estradas catarinenses. Houve 73 feridos. Morreram duas pessoas.

Veiculados em notícia do repórter João Valadares, os dados são oficiais. Foram fornecidos pela própria Polícia Rodoviária Federal, cujas unidades produzem um Relatório Operacional Diário (ROD). A papelada foi requisitada por três procuradores da República: Davy Lincoln Rocha, Mário Sérgio Ghannagé Barbosa e Rodrigo Joaquim Lima. Eles abriram o inquérito contra Ideli há 28 dias. Cogitam processá-la por improbidade administrativa.

Prefixo PT-YZJ, modelo Bell 407, o helicóptero carrega maca, tubos de oxigênio e equipamentos de primeiros socorros. Quando a aeronave é colocada à disposição de Ideli, esses equipamentos são retirados do seu interior. Foi o que sucedeu, por exemplo, em 25 de janeiro de 2013.

Nesse dia, Ideli voou até a cidade catarinense de Laguna. Foi testemunhar a assinatura de uma ordem de serviço para a construção de um túnel. Dali, seguiu para o município de Timbé do Sul. Tomou parte do anúncio do edital de licitação de obras viárias. Nenhum desses empreendimentos tem relação com as atividades da pasta de Ideli, que cuida do balcão. Durante todo o dia, o helicóptero não foi usado em operações de resgate.

 

Caso das Vacinas: Após denúncia, enfermeira é afastada e testemunhas serão ouvidas pela Procuradoria

vacinas-reproducao

Polêmica: Vereador apresenta exames e diz que vacinação é uma fraude; Prefeitura abre sindicância interna; especialista diz que exame algum detecta as doses; OAB e Conselho Tutelar se manifestam e querem apuração dos fatos.

A polêmica e a dúvida que está tirando a paz das famílias de Camboriú iniciou há cerca de um mês, quando o vereador  Carlos Alexandre Martins, o popular Xande  denunciou na tribuna da Câmara uma suposta fraude nas vacinas públicas, aplicadas pela técnica de enfermagem da Unidade Central de Saúde de Camboriú (Policlínica). Segundo o Vereador, após internação, uma bateria de exames teria detectado a falta de imunidade em seu filho de um ano e três meses. “Ele começou com um quadro gripal, que evoluiu para  bronquite e laringite. Pela sua baixa imunidade decidimos fazer uma bateria de exames, que detectou que ele não teria recebido as doses de vacinas que constam como aplicadas em sua carteira de vacinação”, revela o Vereador. Ele acrescenta  que já desconfiava da atuação da técnica de enfermagem que atuava na unidade de Saúde Central, responsável única pela aplicação das doses: “Meu filho nunca teve reação alguma às vacinas; não sentia dor e nem ficava com marcas. Estranhava bastante e já tinha comentado com algumas pessoas que diziam que a enfermeira teria “mão boa” para injeções. Quando soube de muitos casos de Coqueluche na cidade, minha preocupação e suspeitas sobre as aplicações dobraram e, mesmo com alto custo, fiz os exames para detectar ou não à imunidade”, diz ele de posse dos resultados de alguns dos exames, que ele não permite reprodução e justifica: “por orientação do meu advogado”.

Xande diz que várias pessoas já denunciaram o fato na Secretaria de Saúde, inclusive empresários de Camboriú que, segundo ele, não querem ficar se expondo mas, “se necessário, no caso de uma briga judicial, servirão de testemunha”. Para o Vereador, que estava até há poucos meses no ninho dos tucanos, o caso deve ser averiguado pelo Ministério Público e os culpados terão que pagar pelo ato que ele chama de “criminoso”: “Vou ao Ministério Público assim que estiver com o resultado de todos os exames (falta um que exigia maior técnica e foi mandado para fora do país).

 

 

Os exames

 

Segundo o Vereador são exames específicos  de vacinação e custaram, todos, aproximadamente R$ 3 mil. “Foram feitos a pedido do pediatra do meu filho, de Balneário Camboriú,  e num laboratório também de  Balneário. Por serem exames mais complexos foram mandados para Curitiba e um deles que requer uma análise mais técnica, enviado para os Estados Unidos.

 

 

 

O que diz a Prefeitura

A diretora do Departamento Municipal de Vigilância Epidemiológica, Fabíola Rigo da Cruz, contesta a afirmação do vereador Xande em relação a “muitos casos de Coqueluche na cidade”. “Tivemos alguns casos isolados de suspeita de Coqueluche em Camboriú, mas isso está acontecendo em todo o país. Mas há mais suspeitas do que casos confirmados. Em quatro casos investigados, nenhum positivo. Apenas notificação”, contesta ela afirmando que na cidade não houve nenhum caso confirmado  de doença vinculada à vacinação. “Temos alguns casos de varicela (catapora), mas para essa doença ainda não haviam vacinas. As doses passaram a ser disponibilizadas pelo SUS este ano, a partir de setembro. A partir de agora, depois das vacinas já aplicadas, acredito que não teremos mais casos”, diz Fabíola.

Sobre a suposta fraude, a responsável pela Epidemiologia de Camboriú garante que todas as análises foram feitas e não há sinal de irregularidades. “Tivemos na verdade apenas três denúncias: uma do vereador Xande feita na tribuna da Câmara, que é oficial, e duas através da ouvidoria. Sabemos que o Conselho Tutelar se manifestou através das redes sociais e declarou que oficializou a denúncia no Ministério Público. Se assim o fez, nós da Secretaria de Saúde não fomos notificados”, relata Fabíola dizendo que logo após a denúncia em tribuna feita pelo vereador Xande a profissional que vacinava na policlínica foi remanejada para outro setor e substituída. “Mesmo depois de fazermos todas as análises na sala de vacinação; examinarmos colchão, lixo, frascos das vacinas e nada de irregular ser encontrado; mesmo diante da negativa da profissional, que nega a acusação de apenas fingir e não aplicar as doses nas crianças; afastamos  a técnica de enfermagem e a transferimos para outra unidade”, garante a diretora afirmando que a profissional atua há mais de 10 anos no ramo e tem muita agilidade na aplicação de doses injetáveis.

 

O que diz o especialista

Para o farmacêutico bioquímico Ângelo Tadeu Noldin, atuante em Camboriú, a resposta inicial à vacina diminui com o avançar da idade, além de outros fatores que interferem na imunogenicidade da vacina, como obesidade, doenças como diabetes, o uso de corticosteroide e outros medicamentos anti-inflamatórios após a vacinação, insuficiência renal crônica e infecção pelo HIV. Ainda, pode-se encontrar uma proporção de indivíduos saudáveis (± 5%), que não respondem satisfatoriamente à vacinação. “A imunogenicidade pode ser avaliada facilmente logo após a vacinação (15-20 dias) entretanto, decorrido muito tempo haverá dificuldade de analisar se há presença ou não de anticorpos; o que chamamos tecnicamente de baixo título de anticorpos, ficando praticamente indetectável em exames. No entanto, a maior prova de que a vacinação foi efetiva, é a não ocorrência de epidemias na sua forma grave e muitas vezes letal, de doenças que tem cobertura vacinal como sarampo, catapora, etc. Há muito que não se escuta falar em óbitos relacionados à estas doenças, justamente porque as vacinas são efetivas”, reforça Noldin.

Em relação ao fato das crianças não sentirem dor e nem ter reação às doses, o bioquímico explica que com o intuito de diminuir o número de injeções, em um mesmo momento, foram desenvolvidas as vacinas combinadas, produtos que, numa única apresentação, contêm um número maior de antígenos (variedade de vírus e/ou bactérias) capazes de estimular a resposta imunológica, em uma preparação com volume que varia de 0,1 à 0,5 ml.

O uso das vacinas combinadas traz benefícios como a facilidade de administração, redução da dor e do medo nas crianças, além de diminuir o número de idas aos serviços de saúde, contribuindo para o alcance elevado das coberturas vacinais.

 

“As vacinas nem sempre são detectáveis em exames laboratoriais, isto é, os anticorpos que o corpo produz após a vacinação são em pequenas quantidades. A vacinação nada mais é do que a administração de ‘pedacinhos’ dos vírus ou bactérias e assim nosso organismo faz defesas (produz anticorpos), que ficam guardados como uma memória. Quando entramos em contato com aquele vírus ou bactéria nosso organismo age rapidamente, e a doença se manifesta de forma fraca ou as vezes nem se manifesta. Fazendo uma analogia, podemos dizer que os anticorpos são como soldados de um exercito… quando não estamos em guerra temos poucos defensores, mas quando entramos em guerra são chamados e treinados novos soldados… porque nossa defesa sabe como fabricar mais defensores (anticorpos)”, exemplifica ele acrescentando que “a imunologia é uma ciência muito complexa, cada indivíduo responde de forma diferente, exemplo: algumas crianças quando vacinadas têm febre, dor, vermelhidão no local da aplicação (isto é a intensa resposta do organismo a vacina, por isso, não pode tomar anti-inflamatórios após a vacinação) e outras crianças quase não apresentam sintomas, e no entanto, ambas foram vacinadas, ambas produzirão anticorpos, mas em ‘quantidades’ diferentes, e portanto, protegidas destas doenças”, finaliza o bioquímico.

 

A OAB se manifesta

“Essa acusação feita pelo vereador Xande é muito séria e deixou a população apavorada e insegura. A Comissão da Criança e Adolescência da OAB vai solicitar, oficialmente, que o Vereador  apresente à OAB os laudos dos exames, que encaminharemos a seguir ao Ministério Público. Caso o Vereador não acate, vamos instar ao Ministério Público que solicite os laudos, por entender se tratar de um caso de respeito à cidadania”, diz a advogada Jucélia Vinholi Monteiro, presidente da OAB de Camboriú.

“Para levantar essa suspeita sobre o serviço público ele (Xande) deve estar munido de provas, porque isso coloca em descrédito todo o serviço da Saúde Pública na cidade, o que é preocupante”, complementa a advogada.

 

 

Vereador pede abertura de um Centro de coleta de sangue na região

sangue

 

O vereador Josué Pereira  (PP), apresentou requerimento no legislativo de Camboriú,  já aprovado por unanimidade, pedindo que envie para a sede do Parlamento da Macro Região da Foz do Rio Itajaí (Parlaamfri), em especial ao senhor presidente Fredolino Alfredo Bento, um pedido solicitando uma discussão sobre a viabilidade da instalação de um Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina na região.

O vereador justifica que maior parte dos atendimentos são realizados a partir da permanência do ônibus adaptado nos municípios, contudo a coleta não atende a demanda.

“O sonho da instalação de um local especializado para a coleta que servirá o banco de sangue regional tem por muitos se tornado utopia. A vontade política e o apelo da população deverão transpor as barreiras burocráticas e financeiras. O ônibus do Hemosc, como é chamado o veículo, é de atendimento emergencial, contudo esporádico”, fala.

Em seu Requerimento Josué dá detalhes que a Hemorede atualmente está presente em toda Santa Catarina, porém atende apenas 47% da população, sendo que de dez a 12 coletas (cidades) são atendidas a cada mês. A margem de atendimento é menos da metade que deveria alcançar.

“Hospitais de grande porte, como o Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí, e o Hospital Municipal Ruth Cardoso, de Balneário Camboriú, demanda de sangue e nem sempre o tem disponível em abundância.

A abertura do debate e conhecimento desta temática pelos cidadãos regionais poderá levar o governo a se atentar para esta necessidade primária”, finaliza o Vereador

 


Provided by orange county short sale specialist